Estado não fornece medicamentos para pacientes com asma grave

16/08/2017


O medicamento Omalizumab, prescrito para pacientes com asma grave, não é fornecido pelo governo estadual desde janeiro deste ano. A informação foi encaminhada ao Conselho Regional de Medicina do Estado do Rio de Janeiro (Cremerj) por médicos do Hospital Universitário Clementino Fraga Filho (HUCFF), conhecido como Hospital do Fundão, que hoje atende 79 pacientes com a doença e está com o estoque praticamente zerado. O remédio é de uso contínuo e essencial para o controle da doença. A falta dele aumenta o risco de internações e expõe esses pacientes a risco de morte.  

O Omalizumab permite que se reduza o uso de corticoides orais, que tem muitos efeitos colaterais, como diabetes, hipertensão, obesidade, osteoporose, catarata, entre outros. Por estar incluído no grupo de medicamentos de alto custo, o medicamento é fornecido pelo governo estadual. Depois, o Ministério da Saúde repassa essa verba para o Estado.

Na rede pública, a medicação vinha sendo fornecida aos pacientes no Hospital Universitário Pedro Ernesto, no Hospital dos Servidores do Estado e no Fundão. A recomendação do uso deste medicamento consta no Protocolo clínico da Sociedade Brasileira de Pneumologia e Tisiologia (SBPT) e protocolos internacionais. Estima-se que 5% dos pacientes asmáticos apresentem asma grave e necessitem deste tipo de medicamento para o controle da doença.