Justiça decreta arresto de verbas de Itaboraí

16/12/2016


Após fiscalização do CREMERJ, que partiu de uma denúncia do Sindicato dos Médicos de Niterói (Sinmed), o Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro (MPRJ) entrou com ação para assegurar o financiamento do Hospital Municipal Desembargador Leal Júnior (HMSLJ), em Itaboraí. Na última semana, a comarca do município decretou o arresto de R$ 4 milhões da conta do Fundo Municipal de Saúde da cidade. Em sua decisão, a juíza determinou que o valor seja transferido para a Organização Social responsável pela gestão do hospital. A unidade, única emergência aberta da região, há meses enfrenta dificuldades para prestar assistência devido ao atraso nos repasses da prefeitura.
 
Durante fiscalização do CREMERJ no hospital, foi constatado o déficit de materiais e insumos, além de recursos humanos. No dia da visita havia apenas um médico clínico na emergência e um pediatra, prejudicando o atendimento em ambas as especialidades. Também foi verificada a falta de itens para realização de exames básicos. 
 
Em relação a equipamentos, a situação é igualmente complicada. O serviço de radiologia funciona contrariando as normas vigentes. O número de monitores na sala de trauma é inferior ao total de leitos. Não há equipamentos adequados para a desinfecção e esterilização dos materiais, nem leito de isolamento apropriado. Das quatro ambulâncias, apenas duas estavam funcionando. As cirurgias eletivas estavam suspensas devido à falta de insumos e havia limitação dos tipos de fios de sutura, dificultando o ato cirúrgico. 
 
“Essa situação é inaceitável. O HMSLJ é único hospital público com emergência aberta da cidade, servindo de referência também para Tanguá, Rio Bonito e São Gonçalo. Essa foi uma vitória após o CREMERJ, o sindicato e Ministério Público lutarem pelo direito da população de ter Saúde de qualidade”, declarou o vice-presidente do CRM, Nelson Nahon.

Foto de divulgação