Urologia do Hospital da Piedade tem déficit de equipamentos

23/11/2016


O presidente do CREMERJ, Pablo Vazquez, e a diretora Erika Reis se reuniram nessa segunda-feira, 21, com representantes do setor de urologia do Hospital Municipal da Piedade para falar sobre a falta de equipamentos básicos para exames e cirurgias urológicos na unidade.

O encontro, ocorrido no hospital, contou com a presença de residentes do serviço, do coordenador interino do ambulatório, Paulo Fernando da Cunha, além do presidente e do membro da Comissão de Ética Médica da unidade, José Ricardo Pereira Gomes e Paulo Roberto Gonçalves Soares, respectivamente.

A mesma reivindicação foi feita à Comissão de Saúde Pública do CREMERJ, no final do mês de setembro, e apesar da direção do hospital ter solicitado a manutenção do Arco em C, o equipamento continua sem condições de uso. “Este aparelho é muito importante para a realização de vários procedimentos cirúrgicos. Além disso, estamos sem o Ureterorenolitotripsia Flexível e a camisa do Ressectoscópio está danificada”, conta um dos residentes. 

Segundo Paulo Fernando, a Secretaria Municipal de Saúde está realizando uma licitação para a compra de três aparelhos de ureterorenolitotripsia flexível, mas somente para o Hospital Municipal Souza Aguiar. “Ou seja, nós vamos continuar sem condições de atender pacientes com cálculo renal. Mas tanto o Hospital da Piedade quanto o Souza Aguiar são referências em cálculo renal. A Secretaria deveria dividir esses aparelhos por demanda”, desabafou ele.

O serviço de urologia do Hospital da Piedade funciona como suporte para as emergências do Souza Aguiar e atende, aproximadamente, 700 pacientes por mês e realiza até 70 cirurgias mensais. “Cada vez que um aparelho do Piedade quebra, a fila do Sistema de Regulação (Sisreg) paralisa e o paciente fica aguardando por tempo indeterminado. A conclusão é que o serviço não tem como atender essa demanda e a residência fica prejudicada”, enfatizou Erika.

Já Pablo Vazquez destacou a importância da unidade no atendimento às patologias urológicas eletivas e comprometeu-se em cobrar providências urgentes da Secretaria Municipal de Saúde. “Outra questão a reforçar é a reativação das câmaras técnicas do hospital e da secretaria”, concluiu o presidente do CREMERJ.