Iecac: falta de equipamentos para exames e cirurgias

20/07/2016


O CREMERJ, representado pelo vice presidente, Nelson Nahon, e a diretora Erika Monteiro, reuniu-se com o corpo clínico do Instituto Estadual de Cardiologia Aloysio de Castro (Iecac) e com a diretora técnica, Maria Eulália Thebit Pfeiffer, no dia 13 de julho, para discutir os problemas que ainda persistem na unidade e resoluções para possíveis melhorias.

Entre as reclamações dos médicos da unidade está a falta de segurança e de equipamentos necessários para exames e cirurgias cardiolágicas. 

"O Iecac é um hospital de alta complexidade, que depende de materiais caros e não estão conseguindo comprá-los. Hoje, a unidade está sem dosímetro e o eco cardiograma está quebrado, além da falta de materiais básicos como papel para a realização de eletrocardiogramas", informou a presidente do Corpo Clínico do Iecac, Francisca Bottino, lembrando ainda que os profissionais terceirizados estão sem receber seus salários.

Segundo o vice presidente do CREMERJ, o atual governo do Rio de Janeiro vem cortando, cada vez mais, a verba destinada a saúde, o que torna estafante a luta dos médicos por um atendimento de qualidade. 

"O fato é que o investimento do governo do Estado em saúde, que deveria ser 12% de seu orçamento, não passa de 4%. Esse é o principal complicador. Sabemos que os colegas não deixam que a crise financeira impeça o exercício da nossa profissão seja feito da melhor forma possível observou Nelson Nahon.

Erika Monteiro também citou os problemas enfrentados em outras unidades de grande porte e colocou o CRM à disposição para ajudar na cobrança por melhorias. 

"As fiscalizações realizadas pelo CREMERJ sempre mostram as irregularidades encontradas nos hospitais. Vamos continuar trabalhando para que as autoridades olhem para a saúde da população", disse ela.


Responsável pela direção técnica do hospital, Maria Eulália, reforçou a importância do apoio do CREMERJ. 

"Nos últimos anos, houve a redução das verbas para a saúde, o que dificulta a gestão das unidades. Mas vamos continuar o nosso trabalho e contamos com o apoio de todas as entidades", concluiu.

No final do encontro, os representantes do CRM e do corpo clínico do Iecac concordaram em elaborar uma carta aberta à população, que será divulgada em redes sociais, além de programar uma reunião com o presidente da Fundação Saúde-RJ, responsável pela administração do Iecac, e a Defensoria Pública do Estado.