Reunião debate assuntos do Código de Ética do Estudante

07/07/2016


O CREMERJ promoveu nessa quarta-feira, 29, a primeira reunião para discutir a elaboração do Código de Ética do Estudante de Medicina do Rio de Janeiro. O documento terá como objetivo reunir questões que abordem os direitos e os deveres do estudante, bem como a relação com os pacientes e as instituições. O encontro reuniu a direção do Conselho e alunos de medicina de diversas faculdades do Estado. 

O presidente do CREMERJ, Pablo Vazquez, explicou que o Conselho Federal de Medicina (CFM) tem estimulado a discussão sobre a importância da existência de um Código de Ética para os estudantes de todo o país. Atualmente, somente os Conselhos Regionais de Medicina de São Paulo e de Brasília possuem os regulamentos. 

“O texto deve girar em torno da realidade do estudante, da formação e da interação com a sociedade. Além disso, a elaboração deste documento acontece em um momento em que se vive graves problemas de natureza econômica e política do país. Essa crise tem dificultado o ensino e a assistência médica, estimulando a violência social e vários tipos de discriminação e injustiças,  que têm atingindo os jovens e os estudantes”, declarou Vazquez. 

A Associação dos Médicos Residentes do Estado do Rio de Janeiro (Amererj) ficará à frente da coordenação dos trabalhos de discussão. O presidente da entidade, João Felipe Zanconato Filho, ressaltou que a criação do código auxiliará na normatização de uma série de questões que os estudantes enfrentam diariamente. 

“O estudante de medicina, principalmente aquele que está no internato, não é calouro, mas também não é médico. Muitas vezes ele não sabe como atuar. O  código vai ajudar a normatizar isso, colocando claramente seus direitos e deveres”, reforçou Zanconato. 

O estudante de medicina da Universidade Federal Fluminense (UFF) Lucas Garcia frisou que a discussão do Código de Ética vem em um momento oportuno frente às demandas e conflitos que acontecem na sociedade atual e no sistema de educação. 

“Levantar o debate sobre ética é fundamental, ainda mais diante da demanda que nós, estudantes, estamos vivenciando com as transformações da coletividade. Todos esses conflitos se encontram e ressoam muito em um código como este. Ficaria muito feliz se isso acontecesse”, disse o estudante. 

O estudante de medicina da Universidade Estácio de Sá Luiz Felipe Portela afirmou que o debate sobre ética é muito importante para a formação técnica e, sobretudo, humanística. Ele ressaltou que o atendimento ao paciente e a defesa da vida é o objetivo maior da medicina, dos médicos e dos estudantes de medicina. 

O próximo encontro será realizado no dia 27 de julho, onde será produzido um roteiro de trabalho. O objetivo é que todas as questões sejam debatidas até outubro, quando acontecerá um fórum sobre os assuntos abordados no documento. 

Também participaram da reunião os diretores Erika Reis, Gil Simões e José Ramon Blanco, também presidente da Associação Médica do Estado do Rio de Janeiro (Somerj).