Hospitais de Barra Mansa ameaçam reduzir atendimento

16/06/2016


As unidades de Saúde do município de Barra Mansa pretendem reduzir os atendimentos à população a partir deste sábado, 18. As duas Unidades de Pronto Atendimento (UPAs) da cidade, o Hospital Maternidade Theresa Sacchi de Moura, conhecido como Hospital da Mulher, e a Santa Casa de Misericórdia do município passam por uma grave crise por conta dos atrasos dos repasses da prefeitura. 

Nas UPAs, o atendimento será feito apenas para casos de emergência, pois faltam medicamentos e insumos. Além disso, os médicos reclamam das péssimas condições de trabalho e do atraso nos salários. Segundo eles, o pagamento de abril não foi feito integralmente e até o momento não receberam o de maio. A Organização Social (OS) que administra a unidade alega não receber os repasses da prefeitura. Para piorar a situação, o contrato com a OS termina neste fim de semana e não há previsão de renovação.  

A situação também é complicada na UTI neonatal do Hospital da Mulher – única unidade pública de Barra Mansa a prestar assistência médica pelo Sistema Único de Saúde (SUS) às gestantes de alto risco obstétrico e neonatal. A maternidade pode ficar sem o atendimento no setor, pois os médicos estão sem receber os salários. A UTI também é administrada por uma OS. 

A falta de repasses também afetou o atendimento na Santa Casa, que está sem receber as verbas há quatro meses. O hospital pretende reduzir as atividades em alguns setores. 

“O quadro na saúde de Barra Mansa é muito grave e coloca em risco a população. É importante que a prefeitura resolva imediatamente a questão dos repasses para as unidades, que é obrigação constitucional”, declarou o vice-presidente do CREMERJ, Nelson Nahon.