Volta Redonda: médicos do HSJB não aceitam redução salarial

28/01/2016


O vice-presidente do CREMERJ, Nelson Nahon, o conselheiro Olavo Marassi e o coordenador da Seccional de Volta Redonda, Júlio César Meyer, participaram, nessa quarta-feira, 27, de assembleia com médicos do Hospital Municipal São João Batista (HSJB), no anexo do Centro Universitário de Volta Redonda (UniFoa). Cerca de 60 médicos participaram do encontro, que teve como objetivo discutir a redução de salários e eventuais demissões de funcionários propostos pela prefeitura devido à crise econômica. 

Durante a reunião, foi constatado que a maioria dos médicos da unidade são contratados através de RPA (Recibo de Pagamento Autônomo) – vínculo que não concede os direitos trabalhistas como férias, 13º salário e carteira assinada. A prefeitura está propondo, de forma totalmente ilegal, cortes de salários em até 30% em alguns setores do hospital, redução de carga horária e demissões. 

"A principal luta do CREMERJ é em defesa da saúde pública de qualidade. Os mais afetados com essas reduções de funcionários é a população, já que o São João Batista é o maior hospital da região sul fluminense", falou Nelson Nahon. 

Já Olavo Marassi, que também faz parte da seccional de Volta Redonda do CREMERJ, destacou que as irregularidades trabalhistas não são recentes. "Os médicos recebem os seus vencimentos por RPA há mais de 20 anos, que é uma forma totalmente ilegal de contratação. É inadmissível que a prefeitura faça cortes em salários que não sofrem reajustes há três anos". 

Em votação, foi aprovado por unanimidade que os médicos presentes não aceitarão redução de salários e nem demissão de médicos. Também foi eleita uma comissão de médicos que irá junto do CREMERJ ao prefeito da cidade apresentar as reivindicações propostas em assembleia