Problemas na maternidade do HFSE é tema de reunião

28/01/2016


Os diretores do CREMERJ Nelson Nahon e Gil Simões participaram de reunião nessa quarta-feira, 27, com representantes da Unidade Materno Fetal do Hospital Federal dos Servidores do Estado (HFSE). O encontro foi solicitado pela Comissão de Ética Médica da unidade, que denunciou a paralisação das obras da maternidade e da UTI neonatal, além das dificuldades enfrentadas pelos médicos e pacientes. 

De acordo com os representantes do HFSE, a maternidade está em obras há cinco anos e, progressivamente, alguns serviços foram transferidos para outros andares do prédio. O Centro Cirúrgico Obstétrico está funcionando no sexto andar e, no final do ano de 2015, a UTI neonatal foi para o nono andar, depois que parte do teto desabou. 

“O ideal é que todos os serviços sejam concentrados no segundo andar, onde fica a enfermaria. Essa separação prejudica a qualidade do atendimento, além de gerar estresses nos médicos e atrapalhar a organização dos serviços. Essas obras precisam ficar prontas o mais rápido possível”, comentou Gil Simões. 

Em março e novembro do ano passado, o CREMERJ realizou fiscalizações na maternidade. As inspeções reafirmaram a necessidade de adequações da unidade, sobretudo nas condições de infraestrutura. Segundo Nelson Nahon, o Conselho enviará um ofício para a direção do hospital e para o Núcleo Estadual no Rio de Janeiro do Ministério da Saúde (NERJ/MS) cobrando um posicionamento sobre a conclusão das obras. 

“A maternidade do Hospital dos Servidores tem uma grande importância por ser exclusivamente voltada para o atendimento de gestantes de alto risco, que são usuárias do Sistema Único de Saúde (SUS). Além disso, o serviço tem programas de pesquisa de grande credibilidade, como o estudo de pacientes com HIV. Por conta disso, a maternidade não pode continuar fechada, ainda mais se algumas obras são simples de se resolver, como a teto da UTI Neonatal”, declarou Nahon. 

Participaram da reunião o chefe do serviço de obstetrícia, Milber Fernandes Guedes Junior; a chefe da UTI neonatal, Marta de Alencar Rosa; a presidente da Comissão de Ética Médica, Denise Sikin; a secretária de Comissão de Ética Médica, Solange Leal; e a residente-chefe da pediatria, Natália Mendes.