Fórum discute dúvidas e controvérsias em oftalmologia

08/10/2015


Questões envolvendo o glaucoma e mitos e verdades que preocupam os pacientes no cotidiano dos consultórios foram os principais temas discutidos no Fórum Dúvidas e Controvérsias em Oftamologia, realizado pela Câmara Técnica de Oftalmologia do CREMERJ, nesse sábado, 03, no auditório Júlio Sanderson na sede do Conselho. 

Representando o presidente do CREMERJ, o diretor José Ramon Blanco abriu o encontro enaltecendo o dinamismo da Câmara Técnica, classificada como uma das mais atuantes do Conselho. Esteve ao seu lado o conselheiro Gilberto dos Passos.

O responsável pela Câmara Técnica da especialidade, conselheiro Sérgio Fernandes, destacou que a ênfase maior da programação foi dada à questão do glaucoma. As palestras sobre o tema e a condução das discussões realizadas após cada apresentação, coordenadas por Marcus Safady e Sérgio Fernandes, estiveram sob a responsabilidade do professor Paulo Augusto Arruda Mello, da Escola Paulista de Medicina, um dos maiores especialistas do assunto no país.

O glaucoma, conforme ressaltou Sérgio Fernandes, é uma doença que cega silenciosamente um grande contingente de brasileiros. 

“O problema é que as pessoas retardam o exame oftalmológico e o diagnóstico da doença. Muitos recorrem a óculos vendidos em camelôs e não cuidam da pressão ocular. A questão é que no glaucoma a perda visual não é reparada, acontece lentamente e é irreversível”, afirmou.

Sérgio Fernandes acrescentou que existem atualmente inúmeras medicações para a doença, em variadas situações. Além disso, o diagnóstico é mais completo, não considerando apenas a pressão ocular, como acontecia anteriormente. 

“Atualmente se avalia também o fundo do olho, o nervo óptico e os antecedentes do paciente. A pressão ocular é apenas mais um dado a ser observado, o que torna o diagnóstico mais preciso”, disse.

A segunda parte do fórum, coordenada por Carlos Fernando Ferreira e Celso Marra, enfocou temas como retina, catarata e degeneração macular. Na ocasião, foi dado destaque especial a mitos e verdades que preocupam os pacientes, como assistir televisão no escuro ou ler em ônibus em movimento.    

O responsável pela Câmara Técnica salientou que o fórum foi motivado pela preocupação do Conselho em reciclar os colegas médicos que estão começando a exercer a profissão e os que já atuam há muito tempo. 

“Vemos no auditório pessoas com 20, 30 anos de experiência e que vieram na verdade dividir suas experiências com os demais colegas”, frisou.

O fórum também contou com palestras dos especialistas Samuel Cukierman, Israel Rozenberg, Miguel Padilha, Alexandre Pereira, Ruth Cytrynbaum, Raul Vianna e Karin Toledo.