CREMERJ realiza Fórum de Órtese e Prótese e Condutas Médicas

23/09/2015


O CREMERJ promoveu o primeiro Fórum de Órtese e Prótese e Condutas Médicas nessa quarta-feira, 16, em sua sede, que contou com palestras e debates. Na abertura, o presidente do Conselho, Pablo Vazquez, ressaltou a importância do fórum que focou na utilização das órteses e próteses com indicação adequada técnica e eticamente.

“Atualmente, nós temos visto um número crescente de queixas e questionamentos referentes às órteses, próteses e condutas médicas. Esse fórum é o início de um importante caminho para debatermos esse assunto, dando uma atenção especial ao ponto de vista técnico e ético”, disse.

Responsável pela organização do evento, o diretor do CREMERJ Carlos Enaldo de Araújo explicou que o Conselho percebeu a necessidade de promover esse encontro após o aumento do número de questionamentos, sindicâncias e processos. O tema também será abordado nacionalmente pelo Conselho Federal de Medicina (CFM), que promoverá um fórum sobre órteses e próteses, no dia 8 de outubro, em Brasília.

“A ideia é que possamos falar também sobre as condutas médicas de uma forma geral. Convidamos os conselheiros, as sociedades de especialidade, as câmaras técnicas e as seccionais, já que esse é assunto de interesse para todas as especialidades e envolve toda a categoria médica”, salientou.

Na sequência, o conselheiro Carlos Cleverson apresentou a primeira palestra com o tema “Evolução da Medicina com a Incorporação de Novas Tecnologias”. Em seguida, foi a vez da diretora do CREMERJ Ilza Fellows, que falou sobre “Questão Ética e o Uso Consciente dos Novos Recursos”.

Os debates com a plateia giraram em torno dos temas das apresentações, com destaque para os recursos financeiros disponibilizados para a medicina mundial, os altos custos de materiais para implantes e as questões éticas quanto à necessidade de procedimentos que envolvem órteses e próteses.

Segundo o corregedor do CREMERJ, Renato Graça, o número de denúncias de implantes considerados ilegais é baixo, apesar de ser crescente. 

“As Órteses, Próteses e Materiais Especiais (OPMEs) não são vilãs da medicina, porque alguns dos grandes avanços da terapêutica, nós devemos a elas. Devemos, entretanto, coibir e censurar o seu uso abusivo, e se for percebida alguma indicação do procedimento sem fundamentação ética e técnica por parte de algum médico, a denúncia deve ser feita no Conselho”, declarou Renato Graça.

Para encerrar o evento, Pablo Vazquez parabenizou a todos pelas discussões e reafirmou o compromisso com as normas éticas da medicina. “As sociedades de especialidade cumprem um papel fundamental assessorando e chamando os médicos para um debate aberto e franco. Se mesmo assim, alguns colegas insistirem no mau uso das órteses e próteses no exercício de medicina, a denúncia deve ser feita e nós nos comprometemos em cumprir o Código de Ética Médica”, concluiu o presidente.