Convênios: médicos decidem fazer ato público contra operadoras

29/06/2015


Médicos decidiram se posicionar contra os planos de saúde que não apresentaram proposta de reajuste até o momento, descumprindo a lei 13.003/2014, durante a Assembleia Geral dos Convênios nessa quarta-feira, 24, na sede do CREMERJ. O evento, promovido pelo Conselho, pela Associação Médica do Estado do Rio de Janeiro (Somerj), pelo Sindicato dos Médicos do Rio de Janeiro (Sinmed-RJ) e pelas sociedades de especialidade, reuniu dezenas de médicos que votaram por realizar uma manifestação, no Centro do Rio (em frente à FenaSaúde), na próxima quarta-feira, 8,  com convocação em jornal de grande circulação.
 
Os médicos também decidiram promover uma nova assembleia no período de 20 dias para avaliar o movimento e denunciar à Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) a lista das operadoras que não apresentaram propostas até a data da assembleia, já que o prazo estipulado por lei era de até 31 de março. Os planos de saúde que negligenciaram o cumprimento da lei são: Amil/Dix/Medial, Bradesco, CAURJ, Furnas/Real Grandeza, Marítima, Notredame/Intermédica, Porto Seguro e Salutar.
 
“Essa nota no jornal também divulgará o nome das operadoras, apontando que possivelmente na próxima assembleia a categoria irá suspender o atendimento por guias de algumas ou de todas as operadoras citadas”, afirmou a coordenadora da Comissão de Saúde Suplementar (Comssu), conselheira Márcia Rosa de Araujo.
 
Márcia Rosa ainda frisou que a luta pela equiparação de honorários nos procedimentos do plano de quarto ao de enfermaria continua e reforçou a orientação de que os colegas não devem assinar contratos enviados pelas operadoras sem a orientação da Comssu ou da sua sociedade de especialidade.
 
Além da conselheira, a mesa foi composta pelos presidentes do CREMERJ, da Federação Nacional dos Médicos (Fenam), do Sindicato dos Médicos do Rio de Janeiro (Sinmed-RJ) e da Associação Médica do Estado do Rio de Janeiro (Somerj), Pablo Vazquez, Geraldo Ferreira, Jorge Darze e José Ramon Blanco, respectivamente.
 
“Todas as propostas apresentadas são importantes e podem conduzir o movimento à vitória”, destacou Pablo Vazquez.
 
Geraldo Ferreira e Jorge Darze ressaltaram a importância da lei para a categoria. Já José Ramon Blanco disse que o movimento deve focar no reajuste dos honorários, pois a discussão sobre qualidade tem um prazo de dois anos. “As entidades médicas ainda vão debater sobre esse assunto com a ANS”, afirmou.
 
Todos os representantes das sociedades de especialidade presentes na assembleia apoiaram as propostas apresentadas pela mesa.
  
Os conselheiros do CREMERJ Aloísio Tibiriçá, Armindo Fernando da Costa, Marília de Abreu, Kássie Cargnin, Carlos Enaldo de Araújo e Ricardo Bastos também participaram da assembleia.