Médicos federais retomam o movimento em assembleia

21/11/2014


O CREMERJ e o Sinmed-RJ se reuniram com os médicos federais nessa terça-feira, 18, na sede do sindicato. O objetivo do encontro foi retomar as reivindicações para o retorno da gratificação de desempenho que, desde que foi extinta, em 2012, com a MP 568/2012, convertida na Lei 12.702/2012, causa prejuízo de aproximadamente R$ 1,3 mil nos contracheques dos médicos federais, tornando seu salário inferior ao dos outros profissionais de nível superior. 
 
O movimento, que levou médicos e representantes das entidades de classe a Brasília várias vezes este ano para reuniões com a ministra do Planejamento, Orçamento e Gestão, Miriam Belchior, e com o presidente da Câmara dos Deputados, Henrique Eduardo Alves, teve uma pequena pausa em razão das eleições e de uma decisão judicial do Ministério Público Federal (MPF) contra o sindicato que determinou que 50% dos atendimentos ambulatoriais fossem respeitados durante a greve dos hospitais federais.
 
Na reunião, o vice-presidente do CREMERJ, Nelson Nahon, destacou que o Conselho se empenha pela correção da gratificação desde 2012. “A nossa luta não pode ser jurídica porque as decisões judiciais que beneficiam qualquer categoria demoram anos para acontecer. Nossa luta é eminentemente política. A votação e a efetivação dessa lei orçamentária vão depender da pressão que fizermos no governo. Os instrumentos que nós temos para essa mobilização são o diálogo com os ministérios, novas audiências e manifestações”, afirmou. 
 
Segundo o presidente do Sinmed-RJ, Jorge Darze, a pauta está sendo retomada gradativamente no Congresso Nacional. A Lei de Diretrizes Orçamentárias de 2014 passa por uma revisão para corrigir erros que possam afetar o orçamento de 2015. Para que o valor do retorno das gratificações seja incluído no próximo ano, a votação da lei deve acontecer até meados de dezembro. “Temos um direito que está sendo violado. O movimento não pode parar e nossa grande motivação é ter os recursos necessários para garantir a gratificação de desempenho aos médicos em 2015”, completou. 
 
“Vamos agir nesse curto espaço de tempo de fim de ano e tentar marcar reuniões com a ministra Miriam Belchior, com o ministro Gilberto Carvalho, da Secretaria-geral da Presidência, e com a presidente Dilma Rousseff. Também vamos pressionar através de novas as assembleias nos hospitais federais”, disse o diretor do CREMERJ Pablo Vazquez. 

Na ocasião, foi decidido que as entidades médicas promoverão reuniões nas unidades federais e uma nova assembleia geral no dia 3 de dezembro, às 19h30, na sede do CREMERJ, para definir as estratégias do movimento.
 
Também estiveram presentes na reunião os diretores do Sinmed-RJ Eraldo Bulhões e Sara Padron e representantes dos hospitais federais.