Médicos debatem solução para o serviço de pediatria do HFB

21/08/2014


Médicos do Hospital Federal de Bonsucesso (HFB) e representantes do CREMERJ e do Sinmed-RJ se reuniram mais uma vez, nessa terça-feira, 19, para debater a situação da pediatria da unidade. A falta de recursos humanos e as condições precárias de trabalho são os pontos mais críticos de acordo com os colegas.

No encontro ficou decidido que, nos próximos dias, todas as áreas farão um levantamento sobre a sua produção e necessidades. O documento será entregue na próxima semana ao diretor da unidade por um grupo formado por representantes dos pediatras, do CREMERJ e do sindicato. Além disso, conforme propôs o diretor do Conselho Gil Simões, a entidade realizará nesta quinta-feira, 21, uma fiscalização na unidade.

“O CREMERJ e o sindicato têm lutado para reverter esse quadro. Os colegas não podem atuar nessas condições e essa precariedade acaba prejudicando o atendimento à população. Precisamos documentar tudo isso e levar o relatório do CREMERJ para o Ministério Público Federal”, declarou Simões.

Segundo os médicos, a emergência e a enfermaria pediátrica estão com déficit de plantonistas. Além disso, os colegas relataram que constantemente faltam materiais, equipamentos e insumos para a realização de exames básicos. Esse quadro também tem afetado a formação médica, porque, diante da falta de profissionais, muitos residentes acabam trabalhando sem qualquer supervisão.

O chefe da pediatria do HFB, Giuseppe Santalucia, chamou a atenção para o atendimento ambulatorial, que tem sido realizado com qualidade, evitando que pacientes crônicos enfrentem situações emergenciais.

Os ambulatórios de pediatria do HFB fazem, em média, 1.200 atendimentos por mês. Já a emergência, que funciona há três anos em um contêiner, atende cerca de 400 pacientes mensalmente. A unidade reúne especialidades pediátricas importantes, como neurologia, nefrologia, cardiologia, endocrinologia, gastroenterologia, genética e alergologia. O serviço de pneumopediatria acabou devido à falta de recursos humanos.

Os pediatras ficaram de avaliar se irão propor à direção do HFB que a emergência seja referenciada, devido às condições precárias, atendendo as intercorrências internas em uma sala pelas equipes da emergência e da enfermaria, que formariam um único grupo de plantonistas.

O encontro contou também com participação da diretora do CREMERJ Erika Reis e com o diretor do Sinmed-RJ Júlio Noronha.