CREMERJ fiscaliza postos de saúde do Maracanã para a Copa

02/06/2014



O CREMERJ fiscalizou o complexo de saúde do estádio do Maracanã nesta sexta-feira, 30. Na visita, o Conselho constatou que dos oito postos médicos previstos, seis foram finalizados e estão devidamente equipados, porém dois ainda não estão prontos. O CREMERJ, no prazo de 10 dias, retornará ao estádio para realizar uma nova fiscalização.
 
Os serviços de saúde no Maracanã serão providos pela empresa terceirizada Vida Atendimento e Assistência à Saúde. No momento da vistoria, o gerente médico da Vida, Rubens Petercarrari Júnior, e o coordenador do Comitê Local (COL) da Copa do Mundo da Fifa Brasil 2014, o médico Michel Simoni, explicaram como será o funcionamento da assistência médica durante o megaevento. Pelo COL, participou, também, o médico Rodrigo Pires.
 
Segundo eles, em casos de emergência, o primeiro a ser acionado é o COL, que estará em contato com representantes do Sistema de Regulação do município. Simoni e Pires disseram que para o público os hospitais de referência são o Souza Aguiar e o Salgado Filho, podendo haver deslocamentos para outras unidades de saúde. Para a equipe Fifa, atletas e funcionários, os hospitais referenciados são o Samaritano, o da Unimed, o Pasteur e o Quinta DOr. A organização do evento prevê, ainda, que o COL mantenha contato direto com representantes do Samu e do GSE.
 
Durante a visita, a Comissão de Fiscalização (Cofis) do CREMERJ detectou a ausência de um heliponto. Rodrigo Pires explicou que está em negociação com a direção do Colégio Militar uma autorização para que o espaço possa ser utilizado em casos de emergência.
 
O conselheiro e representante do CREMERJ para assuntos da Copa 2014 e das Olimpíadas 2016, Renato Graça, também mostrou preocupação com o esclarecimento das informações aos médicos estrangeiros. Ele alertou para a importância do cumprimento da Resolução CFM 2012/13, que determina como os médicos estrangeiros poderão prescrever medicamentos para a sua delegação, entretanto, exames complementares necessitrarão de homologação do médico local. Nos hospitais, os médicos estrangeiros poderão acompanhar o atendimento, contudo, em casos de divergência técnica, prevalecerá a opinião do médico local.
 
“O objetivo do CREMERJ é contribuir para um atendimento adequado e de qualidade durante a realização da Copa do Mundo. Todas as observações que estamos fazendo são para ajudar. Vamos voltar no prazo de 10 dias para verificar se nossas orientações serão seguidas e averiguar como ficou tudo depois de pronto”, declarou Renato Graça.
 
A fiscalização também contou com a presença da médica fiscal do CREMERJ Márcia Cristina Ribeiro e  do gerente da Cofis, Pedro Paulo Prado.