Médicos debatem manifestação do dia 7 de abril em assembleia

01/04/2014


A mobilização nacional em defesa da saúde em 7 de abril, Dia Mundial da Saúde, foi pauta de mais uma assembleia geral dos médicos, nessa segunda-feira, 31, no auditório do Sinmed-RJ. O encontro, que foi promovido pelo CREMERJ e pelo Sinmed-RJ, debateu os preparativos para a manifestação que acontecerá no Rio de Janeiro, às 10h, com concentração na Cinelândia.

Na ocasião, ficou deliberado que as entidades médicas levarão faixas e cartazes, com palavras de ordem, e providenciarão carro de som para discursos e depoimentos. A categoria deverá caminhar em direção à rua México, onde fica o Núcleo Estadual do Ministério da Saúde no Rio de Janeiro. 

Nos informes, a conselheira do CREMERJ Erika Reis ressaltou que todo o país está mobilizado para o dia 7 de abril.

“Na semana passada, os Conselhos Regionais se reuniram com o Conselho Federal de Medicina e vimos que todo o Brasil está organizado para atos nessa data. No Rio de Janeiro, estamos empenhados nessa luta. Visitamos hospitais federais, estaduais e municipais divulgando essa manifestação e realizamos assembleias”, acrescentou.

O presidente do CREMERJ, Sidnei Ferreira, disse que foi enviado um ofício para diretores das unidades, chefes de serviço, preceptores, coordenadores de Comissões de Residência Médica (Coremes) e Comissão de Residência Médica do Estado do Rio de Janeiro (Ceremerj) e diretores de faculdades de medicina para possibilitar a liberação dos colegas e alunos. 

“No dia 7 de abril, haverá paralisação dos serviços eletivos até as 15h. É fundamental a presença dos colegas. O Rio de Janeiro tem essa tradição de luta, estamos otimistas com esse movimento. Médicos, residentes e acadêmicos de medicina devem participar”, afirmou.

Sidnei Ferreira também lembrou que, na semana passada, o CREMERJ, o Sinmed-RJ e a Fenam se reuniram com o diretor-executivo do Ministério da Saúde, Fausto Pereira dos Santos, para debater a situação dos hospitais federais do Rio de Janeiro e a falta de correção das gratificações por desempenho dos médicos federais. O Ministério da Saúde ficou de dar uma resposta para as entidades nesta semana.

“Nossa atuação no dia 7 de abril vai pressionar as três esferas de governo com relação as nossas reivindicações, por isso é fundamental a presença dos colegas para mostrar a força do nosso movimento”, afirmou.

O presidente do Sinmed-RJ, Jorge Darze, também citou a greve dos médicos federais como mais um meio de pressionar o governo. Segundo ele, comissões de greve estão sendo formadas dentro das unidades para mobilizar os médicos em cada hospital.

A representante da Associação dos Médicos Residentes do Estado do Rio de Janeiro (Amererj), Beatriz Costa, disse que os residentes estão mobilizados para o dia 7 de abril, porém salientou que os chefes de serviço e staff devem liberar os residentes.

Ficou agendada uma nova assembleia no dia 7 de abril, às 19h, na sede do CREMERJ, com os médicos federais caso o Ministério da Saúde se manifeste conforme o prometido.

Na pauta de reivindicações da categoria estão: realização de concursos públicos; salários dignos; plano de cargos, carreira e vencimentos; maior financiamento para a saúde; melhores condições de trabalho; correção da gratificação de desempenho dos médicos federais – desde a MP 568/2012, o salário da categoria ficou inferior ao dos outros profissionais de nível superior –; não terceirização da saúde pública; entre outros.

Também participaram da reunião os conselheiros Pablo Vazquez, Serafim Borges, Gil Simões e Armindo Fernando da Costa.