Médicos do Hospital Federal da Lagoa decidem continuar greve

19/03/2014


Representantes do CREMERJ, do Sinmed-RJ e da Fenam promoveram, nessa terça-feira, 18, uma assembleia com médicos do Hospital Federal da Lagoa. No encontro, membros do corpo clínico decidiram continuar a greve na unidade e formaram uma comissão que organizará o movimento no hospital. A categoria reivindica a correção das gratificações, condições dignas de trabalho e atendimento adequado para a população.

O secretário-geral do CREMERJ, Pablo Vazquez, chamou a atenção para o dia 7 de abril, quando acontecerá uma mobilização nacional. No Rio de Janeiro, haverá ato público na Cinelândia, às 10h. Para organizar a manifestação, está marcada uma assembleia no dia 24 de março, na sede do Conselho.

“É importante a presença dos colegas nesse ato para abrir uma mesa de negociação com o governo. Vários absurdos têm acontecido e um exemplo disso é o programa Mais Médicos, que, além de contratar médicos estrangeiros sem a revalidação do diploma, prevê a abertura indiscriminada de faculdades de medicina e altera o programa acadêmico e a residência médica”, afirmou.

Para o presidente da Fenam, Geraldo Ferreira, também é fundamental que os médicos compareçam ao ato do dia 7 de abril.

“O governo teme o movimento das ruas e a nossa categoria deve mostrar à população que estamos ao lado dela”, declarou.

Já o presidente do CREMERJ, Sidnei Ferreira, além de ressaltar a importância do movimento nacional, orientou os médicos a organizarem a greve na sua unidade, compondo comandos de greve e reuniões frequentes. 
 
“Cada hospital deve ter a sua própria comissão de greve para mobilizar os colegas, fazendo triagens dos pacientes no ambulatório. E devemos mostrar toda a nossa insatisfação, juntos, no dia 7 de abril”, acrescentou.

Também participaram da assembleia: o conselheiro Gilberto dos Passos; o presidente do Sinmed-RJ, Jorge Darze; e representantes de sindicatos de outros estados.