CREMERJ constata fechamento do CTI pediátrico do Souza Aguiar

14/02/2014


O CREMERJ constatou, nesta quarta-feira, 12, o fechamento do CTI pediátrico do Hospital Municipal Souza Aguiar. Médicos da unidade confirmaram que o serviço foi desativado ontem após a transferência de quatro pacientes para o Hospital Miguel Couto. O CTI, que contava com seis leitos, no entanto, continua equipado e preparado para realizar atendimentos.

Os intensivistas relataram que há algum tempo o serviço passava por problemas com a falta de recursos humanos, conforme o CREMERJ já havia denunciado em novembro e pedido solução ao secretário municipal de Saúde, Hans Dohmann. Para suprir a carência de médicos, alguns colegas precisaram dobrar o plantão sem receber nada por isso. No dia do fechamento do serviço, por exemplo, foi necessário que um médico dobrasse o plantão para acompanhar todas as transferências.

Segundo o diretor do Souza Aguiar, Yvo Perrone, o CTI pediátrico foi fechado para obras. Ele explicou que o serviço será transferido na Coordenação de Emergência Regional (CER), anexa ao Souza Aguiar, com 10 leitos. Já o antigo não há planejamento para que seja reaberto.

“A desativação desse serviço será mais uma dívida moral que os governos federal, estadual e municipal terão com a sociedade. Esse CTI era referência em cirurgia e trauma pediátrico, com profissionais capacitados e experientes. O projeto do governo é terceirizar a saúde e o resultado disso tem prejudicado a população e exposto os médicos a péssimas condições de trabalho”, afirmou o presidente do CREMERJ, Sidnei Ferreira.

Os estatutários, que trabalham na unidade, alguns por mais de 20 anos, não sabem se permanecerão no Souza Aguiar ou se serão realocados para outro hospital. De acordo com a direção, os estatutários, a princípio, atuarão na sala vermelha pediátrica. Porém, em fiscalização, o CREMERJ constatou que não há carência de pediatras neste setor. A sala vermelha possui dois leitos e a amarela, quatro. Atualmente, há quatro pediatras responsáveis por essa ala.

Sidnei Ferreira e os conselheiros Gil Simões e Erika Reis também estiveram na CER, onde constataram que há uma sala de CTI, com capacidade para 10 leitos, porém sem equipamentos. Segundo os médicos da CER, essa ala existe há tempos, mas nunca foi utilizada.

No momento da visita na CER, havia apenas um pediatra de plantão. No entanto, colegas expuseram que há constantes plantões sem médicos, como aconteceu na noite anterior, quando não tinha nenhum pediatra.

O CREMERJ, que entrou com uma ação judicial pedindo a contratação imediata de médicos para que o CTI pediátrico do Souza Aguiar não fosse fechado, atualizará a Justiça com as informações da desativação e reforçará o quanto essa medida prejudicará o atendimento à população do Rio de Janeiro.