CRM entra com ação civil em defesa de dois hospitais do Rio

17/01/2014


O CREMERJ entrou com ação civil pública contra as péssimas condições de funcionamento do Hospital Municipal Salgado Filho e contra a situação crítica da UTI pediátrica do Hospital Municipal Souza Aguiar, que pode fechar por falta de médicos.
 
O CREMERJ vem denunciando as condições precárias de atendimento no Salgado Filho, principalmente na emergência, causada pela superlotação, sobrecarga de trabalho e infraestrutura deficitária. Nas últimas fiscalizações realizadas pelo Conselho, constatou-se que os problemas na unidade só aumentaram, expondo ainda mais a população e o médico. O CREMERJ advertiu a Secretaria Municipal de Saúde (SMS) diversas vezes.
 
Já no Souza Aguiar, a UTI pediátrica corre risco de ser fechada se a falta de recursos humanos continuar. De acordo com uma fiscalização do CREMERJ, há apenas seis intensivistas, quando, na verdade, deveria ter 17. Também não há médico de rotina nem chefia na UTI pediátrica.
 
Nas ações civis, o CREMERJ pediu a contratação imediata de médicos para suprir a necessidade de ambos os hospitais.
 
“A falta de recursos humanos está presente em quase todas as unidades de saúde. Esse problema na UTI pediátrica do Souza Aguiar não afeta só o próprio hospital, mas toda a assistência pediátrica na rede pública da cidade. O Souza Aguiar, por exemplo, é o único hospital público da cidade do Rio, que conta com plantão de cirurgia pediátrica, e esse serviço terá sua atuação limitada se não contar com CTI para o pós-operatório nos casos graves. E no Salgado Filho os pacientes estão sofrendo e os médicos sobrecarregados. A SMS precisa apresentar uma solução”, declarou o coordenador da Comissão de Fiscalização do CREMERJ, Gil Simões.