Estudantes ocupam o MEC em busca de solução para Gama Filho

07/01/2014


Estudantes da Universidade Gama Filho de medicina e de outros cursos ocuparam o Ministério da Educação (MEC), em Brasília, nesta terça-feira, 7, para chamar a atenção do governo e da sociedade para os problemas que alunos, professores e funcionários da instituição enfrentam. Desde que passou a ser gerida pela mantenedora Galileo Educacional, a situação da Gama Filho piorou, com a suspensão das aulas, atraso salarial, sucateamento das instalações, ausência de hospital-escola, além de outros. Os alunos, por sua vez, são obrigados a manter em dia o pagamento das mensalidades.

O grupo reivindica a intervenção do MEC na Gama Filho sem o descredenciamento da universidade. Os estudantes pedem ao ministério para que aulas e empregos não sejam perdidos. Em 2013, os alunos tentaram reverter as dificuldades, mas a Galileo descumpriu todos os prazos e acordos. O CREMERJ apoia a luta dos estudantes e defende um ensino de qualidade. 

"O que vemos é um descaso completo com os nossos estudantes. O governo diz que vai ampliar o número de vagas dos cursos de medicina, mas não consegue gerir os que estão abertos. Dizem que faltam médicos, mas não cuidam dos estudantes que querem se formar no seu próprio país. O CREMERJ vai continuar ao lado dos alunos da Gama Filho, dando apoio no que for preciso em busca de uma solução", declarou o presidente do CREMERJ, Sidnei Ferreira.