Hospital Salles Netto recebe homenagem na Câmara de Vereadores

20/12/2013



O Hospital Municipal Salles Netto recebeu, nessa segunda-feira, 16, o Conjunto de Medalhas Pedro Ernesto, na Câmara de Vereadores do Rio de Janeiro.  A homenagem, de iniciativa do vereador e pediatra Paulo Pinheiro, foi, na verdade, uma forma de protesto contra a decisão da prefeitura de fechar os 38 leitos infantis da unidade, que será transformada em uma clínica da família.

A atual diretora do hospital, Beatriz de Araújo; o presidente do CREMERJ, Sidnei Ferreira; a assistente social e representante dos funcionários do hospital do Conselho Distrital AP 1.0 Georgina de Queiroz; e a presidente da Associação de Moradores do Conjunto Clara Nunes (comunidade usuária dos serviços do Salles Netto), Lucy Pereira, participaram da mesa de abertura do evento, além de diretores e funcionários, todos unidos em defesa da unidade.

Beatriz de Araújo recebeu a comenda em nome do hospital e agradeceu aos amigos e funcionários, pelo apoio e dedicação, ao presidente do CREMERJ, por toda a ajuda em manter o hospital aberto, e ao vereador Paulo Pinheiro, pela iniciativa.

“Essa homenagem é um alento ao nosso coração, num momento em que não temos a definição do futuro da nossa unidade, e também uma alegria saber que valeu a pena todo o trabalho realizado nesses 64 anos”, disse ela, referindo-se ao período de existência do hospital.

Em seu discurso, Sidnei Ferreira falou sobre a necessidade de se manter o Salles Netto aberto e sobre o papel dos pediatras, lembrando que, para se formar na especialidade, são necessários nove anos de estudos e uma imensa dedicação.

“O governo dá início e encerra os programas de acompanhamento básico de crianças e de adultos, o que prejudica o tratamento dos pacientes. As Clínicas da Família são importantes, mas não substituem os programas. Transformar o Salles Netto em uma Clínica da Família é um absurdo. Nós queremos uma medicina de qualidade e temos que nos unir por isso. Não podemos admitir o fechamento do Salles Netto. As autoridades estão cometendo verdadeiros crimes ao fechar, progressivamente, unidades, leitos e serviços, principalmente na área pediátrica. Agora, também correm risco as UTIs pediátricas do Cardoso Fontes e do Souza Aguiar, por exemplo. Os gestores parecem desconhecer a importância da pediatra para o atendimento de crianças e adolescentes”, frisou.

Ex-diretora do Salles Netto, Rachel Niskier, que estava entre os homenageados, também destacou os méritos da unidade:  "Sempre trabalhei em hospitais públicos e estive na militância dos movimentos sociais pela infância e adolescência. O Hospital Salles Netto tem uma história bonita e sempre foi uma grande referência. Estou chocada ao ver o que está acontecendo. Sei da luta dos que ainda estão lá, tentando salvar a unidade. Esse é um tributo a tudo que o hospital já fez pela população, é um ato de reconhecimento por aqueles que trabalharam e ainda trabalham pela saúde das crianças".

A Câmara dos Vereadores também prestou tributo a Dilson Bomfim por seu trabalho no Salles Netto.
“Eu não concordo e não aceito o fechamento desse hospital e de nenhum outro”, salientou Bomfim, ressaltando a dedicação de colegas que prestaram grande serviço à instituição.

Ainda receberam homenagem ex-diretores e funcionários atuais do hospital: Mário Laje Tavares, Claudio Guimarães Gomes, Albenita Corrêa, Felipe Cardoso, José Dias Rêgo, Sônia Ferreira e Wanderley Borges.

Embora tenha sido convidado, o secretário municipal de Saúde, Hans Dohmann, não compareceu para discutir a situação da unidade.