Salgado Filho: médicos denunciam problemas de superlotação

01/08/2013


A situação continua crítica no Hospital Municipal Salgado Filho, principalmente na emergência. Segundo denúncia de médicos da unidade, nessa quarta-feira, 31, na sala de repouso, cuja capacidade é de 14 pacientes, havia na ala feminina 25 pessoas internadas e na masculina, 31. 

O problema da superlotação atingiu ainda a sala de reanimação. No setor, tinham 14 pacientes internados, ultrapassando em muito o limite da sala, que é de até quatro pacientes.

O déficit de clínicos gerais para atender na emergência também preocupa as equipes. Frequentemente, tem-se apenas um clínico para cuidar de toda a emergência. No dia da denúncia, havia três médicos de plantão. Na Unidade de Pacientes Graves (UPG), por exemplo, não tinha nenhum clínico geral.

“Não é de hoje que o CREMERJ denuncia a situação caótica do Salgado Filho. Os médicos precisam de condições dignas para exercer a sua profissão, da mesma forma que a população merece um atendimento de qualidade. Enquanto o governo divulga várias medidas absurdas, não se vê nada para resolver esse caos”, declarou a presidente do CREMERJ, Márcia Rosa de Araujo.

O CREMERJ, que só este o ano realizou mais de cinco visitas no Salgado Filho, denunciou o caso para o Ministério Público e para a Delegacia do Consumidor (Decon). O Conselho aguarda a resposta dessas autoridades para marcar uma fiscalização conjunta na unidade.