Médicos do Rio deliberam ações em relação à MP 621/2013

16/07/2013


Médicos, representantes de entidades médicas e parlamentares se reuniram nessa segunda-feira, 15, em assembleia no Colégio Brasileiro de Cirurgiões (CBC), para deliberar ações em relação à Medida Provisória 621/2013, que prevê, entre outras medidas, a importação de médicos sem a revalidação do diploma. A categoria realizará mobilizações com manifestações e avalia a possibilidade de promover dias de paralisação em todo o estado.

Para os médicos, o governo federal deveria investir em carreira de Estado, salários dignos e condições de trabalho para a categoria.

“Não adianta enviar o médico para o interior se ele não tiver estrutura para trabalhar. Há falta de equipamentos e de outros profissionais também. Não é só de médico. A MP 621 é tão absurda que quer enviar médicos para o interior sem vínculos de trabalho, ou seja, não há nenhuma segurança”, declarou a presidente do CREMERJ, Márcia Rosa de Araujo, lembrando ainda a manifestação nacional desta terça-feira, 16, que, no Rio, será às 16h na Cinelândia.

Os colegas também demonstraram indignação acerca dos vetos feitos pela presidente Dilma Rousseff à Lei do Ato Médico, principalmente o que se refere ao diagnóstico de doenças. De acordo com a categoria, essa abertura às demais profissões, que não foram preparadas para diagnosticar, poderá trazer riscos à saúde da população.

Na ocasião, acadêmicos da Universidade Gama Filho denunciaram que estão sem aulas e que, em protesto, um grupo de cerca de 70 estudantes de medicina decidiram acampar na porta da instituição. Os alunos criticaram os Ministérios da Saúde e da Educação pelo descaso em relação ao ensino e classificaram como incoerente o discurso do governo federal de que está em busca de soluções para a saúde pública.

Os residentes que participaram da assembleia também expuseram a sua angústia em relação ao concurso de residência médica para o próximo ano. Até o momento, o Ministério da Saúde – responsável pela maioria das vagas – não se posicionou oficialmente sobre a questão. 

Além do CREMERJ, participaram da assembleia: o presidente da Academia Nacional de Medicina, Pietro Novellino; o presidente do Sindicato dos Médicos do Rio de Janeiro (Sinmed-RJ), Jorge Darze; o vice-presidente do Conselho Federal de Medicina (CFM), Aloisio Tibiriçá; o membro da Federação Nacional dos Médicos (Fenam), José Roberto Murisett; o presidente da Associação dos Médicos Residentes do Estado do Rio de Janeiro (Amererj), Diego Puccini; além de representantes de outras entidades médicas. Os parlamentares Jandira Feghali, Luiz Henrique Mandetta e Miro Teixeira, além do vereador Paulo Pinheiro, também compareceram à reunião.