Assembleia dos médicos no Cardoso Fontes debate sobre a Ebserh

04/06/2013


Médicos do Hospital Cardoso Fontes debateram nessa quarta-feira, 29, em assembleia, sobre a intenção do Ministério da Saúde de colocar a subsidiária da Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (Ebserh) – a Saúde Brasil – para gerir os institutos e hospitais federais. Na ocasião, falou-se também sobre a gratificação dos médicos, que ainda não foi reajustada, além do sucateamento das unidades federais, com a constante falta de recursos humanos, superlotação e obras inacabadas.

O conselheiro do CREMERJ Armindo Fernando da Costa, que participou da mesa de debate, destacou o potencial dos colegas do Cardoso Fontes, que, segundo ele, é referência para a população e detentor de profissionais que sempre batalharam pela categoria e por melhores condições de trabalho.

“A saúde pública tem sido sucateada com a falta de recursos humanos. Não se faz concurso público com salários dignos, não há reposição de médicos e há carência de preceptores para os residentes. Essas empresas terceirizadas não são a solução. Queremos carreira de estado para que o médico possa se fixar no interior. Estão tentando desestruturar a medicina, por isso temos que nos unir e lutar, inclusive contra a importação de médicos sem a revalidação do diploma”, declarou.

Armindo Fernando também motivou os médicos a participarem da manifestação no dia 5 de junho, às 10h, na Cinelândia, em defesa da valorização da categoria e da saúde pública. Ele convidou ainda os colegas para comparecerem à reunião do dia 3, no Colégio Brasileiro de Cirurgiões (CBC), quando a mobilização será organizada.

A assembleia também contou com a presença do diretor geral do Cardoso Fontes, Paulo Marçal; da presidente do corpo clínico do hospital, Ana Maria Simões; do presidente do Centro de Estudos da unidade, Renato Bataglia; do representante do Sindicato dos Médicos do Rio de Janeiro (Sinmed-RJ), Julio Noronha; e do membro da Associação dos Servidores do Cardoso Fontes, Paulo Romeu.