Andaraí: falta de recursos humanos afeta o CTQ

22/03/2013


Continua crítica a situação da falta de recursos humanos no Hospital Federal do Andaraí. Conforme relatório da direção da própria unidade, atualmente, para o funcionamento adequado do Centro de Tratamento de Queimados (CTQ), há um déficit no número de horas médicas por semana de, pelo menos, 352. Com o atual quadro de médicos, cumpre-se apenas 470 horas semanais.

O CTQ necessita, hoje, no mínimo, de dois clínicos intensivistas para rotina; dois clínicos intensivistas para o final de semana; dois pediatras; um cirurgião plástico para o ambulatório; um cirurgião plástico para rotina e anestesistas.

“O Andaraí é referência no tratamento de pacientes queimados. A carência de recursos humanos e de infraestrutura no CTQ afeta a população e compromete a formação dos futuros especialistas. Os residentes precisam aprender com médicos experientes. Mas como isso será possível, se por falta de anestesistas, as especialidades cirúrgicas entraram em diligência? O que estamos vendo aqui é uma linha de conduta nacional. O governo está tentando terceirizar o trabalho médico”, afirmou o coordenador da Comissão de Saúde Pública do CREMERJ, Pablo Vazquez.

Em janeiro, durante uma fiscalização no Hospital do Andaraí, o CREMERJ já havia constatado irregularidades, causadas principalmente pela falta de médicos e superlotação dos setores. O Conselho notificou a direção do hospital, que, em resposta, reconheceu que é grave o problema da carência de recursos humanos.

O CREMERJ solicitou uma reunião com o Ministério da Saúde para pedir explicações sobre o caso, além de soluções imediatas.