Médicos de Volta Redonda se reúnem em assembleia

22/03/2013


Médicos que atuam na rede municipal de Saúde de Volta Redonda se reuniram em assembleia, no dia 21 de março, para discutir propostas para o Plano de Cargos, Carreiras e Salários (PCCS). Em reunião anterior, a Secretaria ofereceu aumento de 6% para os estatutários e para os médicos contratados por RPA, que chega a 70% do efetivo atual, a partir de 1º abril.

 “Estamos vivendo uma situação complicada. A infraestrutura dos hospitais está precária, faltam médicos e o prefeito não chega a um acordo que valorize o trabalho do médico”, salientou o diretor de Sede e Representações, Nelson Nahon.

Durante a assembleia, o coordenador da seccional de Volta Redonda, Olavo Marassi, anotou as propostas dos colegas, para que fossem repassadas ao prefeito.

Os médicos estatutários e os contratados pelas Organizações Sociais (OSs) decidiram exigir um piso de R$ 10.500, o mesmo pago pela Prefeitura de Barra do Piraí. Os médicos que atuam no PSF sugeriram que caso a Secretaria Municipal de Saúde não pague o valor solicitado, a carga horária deve ser reduzida.

Os médicos aproveitaram a oportunidade para relatar a diferença salarial que existe entre os serviços e às vezes até na mesma unidade.

Outro assunto discutido na assembleia foi a greve das equipes do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) em 11 cidades do Sul Fluminense, que foi deflagrada pela falta de condições para o atendimento e pelo não pagamento dos salários há quatro meses.

\"Vamos analisar todas as queixas dos colegas e formular uma denúncia ao Ministério Público. O Conselho se manterá alerta a esse movimento e fará tudo que estiver ao seu alcance para solucionar a situação\", frisou Olavo.

A comissão dos médicos do município, em conjunto com o CREMERJ, irá apresentar um documento ao prefeito que inclui a criação da Fundação Pública para a realização de concursos, e com isso dando fim ao pagamento feito por RPA.