HGB discute propostas para sugerir ao Nerj

21/03/2013


Membros do corpo clínico do Hospital Federal de Bonsucesso (HGB) se reuniram nesta quinta-feira, 21, para debater propostas que serão apresentadas ao diretor do Núcleo Estadual do Rio de Janeiro (Nerj), João Marcelo Ramalho. Os participantes fizeram várias considerações e apontaram como urgente a resolução da situação do transplante renal e hepático; da falta de recursos humanos; do término das obras do hospital e o esclarecimento dos investimentos financeiros feitos até então, além da transparência de todas as negociações da direção da unidade.

O conselheiro do CREMERJ, Armindo Fernando da Costa, que participou da reunião – a primeira dirigida pela nova diretoria do corpo clínico –, sugeriu um diálogo com as chefias de cada especialidade para saber quais são as necessidades e dificuldades do seu setor. Além disso, falou sobre a importância da reativação do núcleo de transplante, principalmente pediátrico.

“Esse caso precisa ser resolvido. Pessoas dependem desse serviço, que há anos é referência nacional. Tínhamos, ontem, 20, uma reunião com o Ministério da Saúde para discutir questões de vários hospitais, como a emergência e o transplante do HGB, mas foi reagendada. Vivemos hoje o sucateamento da saúde. É um problema federal. A população é quem mais sofre com todo esse caos, no entanto a saúde é um direito de todos”, afirmou.

As deputadas estaduais Janira Rocha (Psol), Lucinha (PSDB), Enfermeira Rejane (PCdoB) e Rosângela Gomes (PRB) participaram da assembleia, além de representantes do Sindicato da Saúde e Previdência (Sindsprev), do Sindicato dos Médicos do Rio de Janeiro (SinMed-RJ) e da Associação dos Movimentos dos Renais Vivos e Transplantados (Amorvit-RJ). Durante a reunião, o presidente da direção do corpo clínico, Flávio Sá, garantiu que a meta é manter o HGB como uma unidade de alta complexidade e criticou severamente a atual direção do hospital por não se comunicar com o corpo clínico, esclarecendo o andamento dos projetos e das negociações.

“É um problema generalizado que atinge todos os hospitais públicos. Os governos pressionam pela terceirização da saúde, prejudicando os programas de residência médica, a continuidade dos serviços nessas unidades e até o próprio atendimento à população”, concluiu Armindo.

Visita da Alerj ao HGB

Antes da reunião, a Comissão de Saúde da Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj) fiscalizou o Hospital Federal de Bonsucesso e constatou irregularidades, como a emergência funcionando em contêineres, obras paralisadas e a falta de recursos humanos. A equipe, formada pelas deputadas Janira Rocha, Lucinha, Rejane e Rosângela Gomes, além de seus assessores, também colheu informações sobre a situação do núcleo de transplante, que está desativado desde dezembro de 2012.