Dia da Mulher: educadora Tânia Zagury profere palestra

19/03/2013


Carreira, casamento, maternidade e educação dos filhos foram alguns dos destaques da palestra “Mulher, Médica, Mãe... E o que mais?”, ministrada pela professora Tânia Zagury – conceituada educadora, filósofa e escritora –, na sexta-feira, 14, promovida pelo CREMERJ, em homenagem ao Dia Internacional da Mulher, no auditório Julio Sanderson. A presidente do CREMERJ, Márcia Rosa de Araujo, falou sobre a data marcante, celebrada no dia 8.

“Março já se sagrou o mês da mulher. O Conselho reitera a importância da mulher no mercado de trabalho, que já conquistou seu espaço, porém ainda tem muitos degraus a subir. Queremos fincar nossa presença, lutando por igualdade”, disse.

Tânia – que é casada com um médico, mãe de dois filhos e que sempre trabalhou fora – falou sobre as características dos pais da atualidade, as consequências da falta de limites e as influências que os filhos sofrem pela sociedade, principalmente pelos meios de comunicação. A professora explicou que as mulheres ainda se sentem responsáveis pela casa e, por isso, muitas vezes, se culpam pela ausência decorrente do trabalho.

“Hoje em dia, a maioria dos pais prioriza o diálogo na educação dos filhos, o que é muito positivo. O problema é que nem sempre isso funciona e as mães, principalmente, se culpam porque acham que isso acontece por elas estarem distantes. As mulheres também se sentem sobrecarregadas, porque, quando chegam em casa, têm que dar atenção às crianças, arrumar a casa, cozinhar. Vocês, médicas, por exemplo, passam o tempo todo cuidando de pessoas e, no fim do dia, precisam cuidar da família. É uma rotina árdua”, afirmou.

Para amenizar os conflitos, segundo a palestrante, a mulher deve conseguir a adesão do companheiro à divisão equitativa das tarefas do lar, vencer a culpa para continuar a vida profissional com a meta de educar os filhos, organizar a vida de forma a combinar objetivos diferentes, não desistir da sua independência profissional e investir no seu relacionamento conjugal, a fim de nutrir o romantismo.

“Queríamos fazer uma homenagem diferente, fugindo da área médica, como fazemos todo ano, por isso convidamos a Tânia, que tem experiência em educação. Aprendemos com a experiência dela como educadora, que nos fez atentar para questões que muitas vezes não percebemos”, disse a vice-presidente do CREMERJ, Vera Fonseca, que homenageou a professora com um buquê de flores.

Também partiparam do evento os conselheiros Pablo Vazquez, Kássie Cargnin, Luís Fernando Moraes, Nelson Nahon, Serafim Borges, Carlindo Machado, Sidnei Ferreira e José Ramon Blanco.