Cocem: Situação dos hospitais no Rio é caótica

20/02/2013


O CREMERJ se reuniu nessa terça-feira (19) com a Coordenadoria das Comissões de Ética Médica (Cocem) para debater assuntos relacionados ao setor de saúde do Rio de Janeiro, com destaque para a situação dos hospitais públicos, que, segundo os participantes, está caótica. Os principais problemas são a falta de médicos, a superlotação das unidades e o número reduzido de plantonistas.

Essa situação, por exemplo, foi constatada no Hospital Municipal Salgado Filho, no Méier, durante uma fiscalização do CREMERJ, realizada na segunda-feira (18). Os participantes também falaram do Hospital Federal de Bonsucesso (HGB), que enfrenta os mesmos problemas, mas com o agravante do fechamento do núcleo de transplante de rins e fígado.

“É lamentável o que querem fazer com o HGB. O hospital já tem a estrutura para a realização de transplantes e o serviço funcionava muito bem. A população não quer esse cancelamento e nem nós queremos. Temos uma reunião com a equipe de nefrologia do hospital. Vamos fazer a nossa parte para impedir esse absurdo”, disse o conselheiro do CREMERJ, Pablo Vazquez.

A reunião destacou ainda como prioridade a valorização dos médicos, com melhores condições de trabalho e planos de cargos e salários. Também participaram do encontro os conselheiros Armindo Fernando Costa e Luís Fernando Moraes.