CREMERJ discute com entidades soluções para o HGB

22/10/2012


Para tratar da situação precária que o Hospital Federal de Bonsucesso sofre com a superlotação e a insalubridade da sua emergência, alocada em um contêiner há um ano e oito meses, a diretoria do CREMERJ se reuniu com representantes das Secretarias Estadual e Municipal de Saúde, Subsecretaria de Atenção à Saúde, Núcleo Estadual do Ministério da Saúde no Rio de Janeiro (Nerj), além da diretoria, da comissão de ética médica e do presidente do corpo clínico do Hospital de Bonsucesso, nessa segunda-feira, 22. Atualmente, a emergência está com mais que o dobro de pacientes que a estrutura permite. As entidades fizeram propostas para que o problema seja solucionado.

Dentre os compromissos, está a regulação dos pacientes para outros hospitais federais, com monitoração do acolhimento por classificação de risco. Foi determinado que o número de 35 leitos deva ser o limite e, caso esse número seja ultrapassado, a rede deve absorver e transferir o paciente para outro hospital.

“Na fiscalização realizada pelo Conselho no último dia 10, constatamos falta de estrutura tanto para os médicos quanto para os pacientes. Há de se haver uma discussão com os gestores da rede para que tenhamos um cronograma de soluções para o HGB”, falou a presidente do CREMERJ Márcia Rosa de Araujo.

Luiz Carlos Studart, diretor de assistência do Nerj, afirmou que no próximo dia 26 será apresentado um planejamento das obras a serem feitas na emergência do hospital. Hellen Miyamoto, subsecretária de Estado de Vigilância em Saúde, finalizou: “vamos continuar com a emergência aberta até que se desenhe um projeto em longo prazo para reestruturar a rede, principalmente no nó que é a porta de saída da emergência”.

O CREMERJ encaminhou o relatório de fiscalização para o Ministério Público Federal. Na próxima quinta-feira, 25, haverá nova reunião do Conselho com o corpo clínico do HGB na própria unidade.