Clipping - Rio tem morte suspeita; hospitais já relatam profissionais infectados

O Estado de São Paulo /

18/03/2020


Um homem de 69 anos morreu às 19h08 de ontem em um hospital particular de Niterói (região metropolitana do Rio), com sintomas da covid-19, segundo a equipe médica - o governo do Estado não confirmou. Ele não estava na lista oficial do governo - que tem 33 casos. Além disso, dois hospitais, um do Rio e outro de São Paulo, já registraram infecções pelo novo coronavírus entre os seus profissionais de saúde.

Segundo nota do hospital fluminense Icaraí, esse paciente teve sintomas na quarta, depois de ter contato com o enteado, que voltou de Nova York com exame positivo. Além disso, segundo a nota, o paciente tinha doenças preexistentes que o incluíam no grupo de risco. O paciente teve insuficiência respiratória aguda e por isso foi submetido à intubação e ventilação mecânica, mas morreu por choque séptico e pneumonia.

Infectados. Também no Rio, o Hospital Universitário Pedro Ernesto, vinculado à Universidade Estadual do Rio de Janeiro (Uerj), confirmou que dois de seus médicos foram contaminados pelo coronavírus. Um deles é do setor de nefrologia e está internado em estado grave em uma unidade da rede privada. O outro profissional, um professor, também testou positivo para o vírus, mas tem boa condição de saúde e está em isolamento domiciliar.

Apesar de ter dois profissionais com a doença, nenhum paciente da unidade foi infectado e não há doentes internados com o diagnóstico no local nem confirmação de que o vírus esteja circulando no centro médico.

Já em São Paulo, as infecções foram registradas na rede de hospitais Sancta Maggiore, da operadora Prevent Senior. Segundo Pedro Benedito Batista Junior, diretor executivo da empresa, pelo menos 15 profissionais de saúde já tiveram diagnóstico confirmado ou foram classificados como casos suspeitos. Desse total, há uma funcionária internada em estado grave. Ela tem 33 anos e sofre de asma, condição de risco para complicações para a covid-19. Além de lidar com a contaminação de colaboradores, a operadora, focada no público mais velho, já teve 24 diagnósticos positivos para o coronavírus e dedicou uma unidade na região da avenida Paulista à doença.

Desde o início do surto, a operadora já fez mais de 300 testes por suspeita da doença, dos quais apenas 56 tiveram resultado.