Clipping - Estudo realizado no Rio mostra reversão de casos de microcefalia por zika

G1 /

10/07/2019


A conclusão é de Pesquisadores do Instituto Fernandes Figueira, ligado à Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz)

Um estudo feito por pesquisadores do Instituto Fernandes Figueira, ligado à Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), mostra a reversão de casos de microcefalia no Rio de Janeiro.

A pesquisa acompanhou 216 crianças filhas de mães que tiveram zika durante a gravidez em 2016 - todas foram acompanhadas durante três anos.

Dessas, oito nasceram com microcefalia e duas, apesar de terem nascido nessa condição, apresentaram condições neurológicas, motoras e cognitivas normais.

Uma delas desenvolveu, de forma natural, a circunferência de tamanho normal da cabeça. A outra precisou de uma cirurgia intracraniana e, após o procedimento, também conseguiu desenvolver o tamanho normal da cabeça. Ou seja, ambas conseguiram reverter o quadro.

As duas crianças são filhas de mães que tiveram zika apenas no fim da gravidez.

Os pesquisadores atribuem essa reversão à teoria da neuroplasticidade - a capacidade que os seres humanos desenvolvem de reorganizar as vias de transmissões cerebrais para fazer tarefas que antes estavam prejudicadas.

O estudo foi coordenado pela pesquisadora Maria Elizabeth Moreira e foi realizado em parceria com especialistas da Universidade da Califórnia, no Estados Unidos, e foi publicada na revista "Nature medicine".