Clipping - Brumadinho pode sofrer com surto de doenças

O Dia / País

06/02/2019


Segundo Fiocruz, moradores podem ser contaminados por dengue e febre amarela

A tragédia causada pelo rompimento da barragem de Brumadi- nho (MG) pode deixar outros efeitos colaterais aos moradores da região afetada. Um estudo da Fundação Ow- waldo Cruz (Fiocruz) divulgado ontem faz um alerta para o risco de surtos de dengue, febre amarela, leptospirose, equistossomose e agravamento de pacientes com doenças crônicas, como hipertensão e diabetes. Até à tarde, o Corpo de Bombeiros de Minas Gerais e a Defesa Civil atualizaram para 134 o número de mortos na tragédia. Outras 199 pessoas permanecem desaparecidas. Ao todo, 394 moradores já foram localizados.O levantamento da Fiocruz foi feito com base em informações de secretarias de saúde, sistemas de dados públicos e estudos sobre outros desas- tres, como o rompimento da barragem em Mariana (MG) e as enchentes em Santa Catari- na, em 2008. “Há um padrão nos problemas de saúde que se sucedem a desastres, mesmo em casos de eventos climáti- cos”, disse o epidemiologista Diego Ricardo Xavier.

A Sexta Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) con- cedeu, ontem, por unanimidade, liberdade para os cinco presas no dia 29 de janeiro em meio às investigações. Com a decisão, serão soltos três funcionários da Vale e dois engenheiros da TÜV SÜD, empresa que prestava serviços para a mineradora.As buscas devem continuar na região. Segundo o tenente Pedro Aihara, porta-voz do Corpo de Bombeiros, a previsão é de chuva para os próximos dias. Mas as condições meteorológicas não deverão representar um obstáculo, já que parte do efetivo ainda está trabalhando no que chamam de área quente, região mais afetada pelo fluxo de lama e onde há maior chance de vítimas serem encontradas. Cerca de 15 máquinas deverão auxi- liar nas buscas da força-tarefa.